fly


domingo, 2 de julho de 2017

do encanto

me encanta 
o interior das coisas, 
o interior das folhas que chove o orvalho

os ventos que sopram sorrisos
as pontes que ligam universos
e as portas por onde passam as paredes
me encantam as janelas enfeitadas de asas
os caminhos ladeados flores
e o diálogo solitário do pássaro com o seu infinito,
num galho tão só, no solitário inverno
me encanta a tristeza dos dias sem ti, porque estás em mim
me encantam os desertos vazios repletos de oásis dos teus olhos de mar
me encanta a escuridão da noite pelo brilho das estrelas e pela magia da luz fumegante do vaga-lume que acende na ausência tua
me encantam as mãos, as minhas mãos, que no imaginário escreveram tua alma e que esquecidas hoje silenciam
me encantam as veias dos rios por onde correm o pranto
me encanta despertar, sorrir ao lembrar e amanhecer
me encantam
me encanto

Margarida Di

terça-feira, 27 de junho de 2017

uma flor
não muito longe da noite
meu corpo mudo
abre-se
a delicada urgência de orvalho
→Alejandra Pizarnik

domingo, 25 de junho de 2017

na outra margem da noite
o amor é possível
leva-me! 
leva-me entre as doces substâncias
que morrem cada dia na tua memória

→Alejandra Pizarnik
Alguém me disse que certas aves choram 
quando lhes falta o mar 
por muito tempo

→Casimiro de Brito

quinta-feira, 2 de março de 2017


Meu corpo me pede o abismo.

Margarida Di

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

manhãs
também as manhãs são esperas,
desejos, sonhos
também as manhãs são teus olhos,
mar, rio, deserto
são brisas as lembranças
paisagens refeitas
sussurros contidos
também as manhãs são noites em saudades
são estrelas, luas em desalinho
são continentes, sóis que se despedem
também as manhãs são
és,
sou,
somos
Margarida Di